Quinta-Feira,�21 deSetembro,�2017

Segundo Resgate a Portugal em Setembro

expresso_logo

Segundo Resgate a Portugal em Setembro

Publicado no EXPRESSO de dia 4 de Agosto 2012

Por André Ribeiro

Duas narrativas foram formadas, uma do norte da Europa, diz que os países do sul são preguiçosos e não querem trabalhar, nem pagar impostos e só querem receber ajudas à custa do norte. Outra a dos países do sul da Europa, diz que os países do norte se aproveitaram do euro para desvalorizar as suas moedas e aumentar as exportações à custa do sul.

A União Europeia tem uma pesadissima estrutura, uma máquina burocrática de criar regulamentações, tornando as empresas cada vez menos competitivas.

É um sistema altamente ineficiente, com mais de 33.000 funcionários e custos elevadissimos, composto por comissários não eleitos e com um parlamento que se reúne uma parte do ano em Estrasburgo e outra parte do ano em Bruxelas. Toda a máquina se move para um lado e para o outro.

Desde o surgimento do Euro, que o crédito bancário se expandiu extraordinariamente. A maioria dos bancos está nas mãos dos políticos e os políticos estão nos bolsos dos bancos.

Portugal cumpre as imposições dos credores da Troika, com toda a austeridade que isso implica. Contudo,  as receitas fiscais continuam a cair e os dados apontam para que vai falhar o objectivo do défice para 2012.  A carga fiscal aumenta e a receita diminui.

Em 2010 do total das declarações fiscais apresentadas à administração fiscal  menos de 43% dos indíviduos pagaram IRS e no caso das empresas apenas 29% pagaram IRC. Não é preciso ser licenciado em Ciências Políticas para perceber onde isto vai parar.

O desemprego oficial aproxima-se dos 16%.  No primeiro trimestre de 2012 a dívida pública portuguesa cresceu para os 111,7% do Produto Interno Bruto (PIB), um aumento de 17,2% face ao último trimestre do ano passado. Estamos numa espiral que torna possivel que o patamar dos 120 por cento do PIB seja ultrapassado já em 2013. Segundo o Eurostat a dívida privada no final de 2011 estava nos 249% do PIB, o que somado à dívida pública dá um rácio da dívida face ao PIB de cerca de 360%, ou seja, completamente insustentável.

É impressionante como o país conseguiu acumular dívida sem isso se reflectir em crescimento económico. Agora que momento da verdade chegou, há que começar a pagar a dívida de volta. O acréscimo do nivel de vida foi conquistado à custa de empréstimos para aumentar as importações, agora que o crédito abrandou, o nível de vida está a regredir aceleradamente.

O regresso ao mercado da dívida em Setembro de 2013 é cada vez mais improvável. Seguindo a lógica aplicada à Grécia e de acordo com a regra do FMI que só empresta caso o país consiga substituir a sua dívida por novos títulos nos 12 meses seguintes, a data provável para o segundo resgate a Portugal é este Setembro.

Provavelmente Portugal, precisará de um pouco mais de 50 mil milhões de euros, 24,2 mil milhões para financiar obrigações em 2013 e 2014, mais 26,9 mil milhões para 2015 e mais um extra para cobrir a degradação económica e ajudar a atingir as metas do défice.

 

O crescimento exponencial da dívida, através da criação massiva de moeda está a fazer colapsar o poder de compra.  Por isso, o dinheiro real, há milhares de anos, que é o Ouro, está a ganhar força.

 

 

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.

Newsletter BonsInvestimentos

Assine gratuitamente a newsletter mensal BonsInvestimentos.
Nome:
E-mail: