Domingo,�27 deSetembro,�2020

Crise da dívida: a primeira exigência chinesa aos europeus

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail

Para se envolver mais ativamente no investimento em títulos da dívida soberana dos países da zona euro em apuros, a China quer que os europeus antecipem em cinco anos o seu reconhecimento como "economia de mercado".

Por
Jorge Nascimento Rodrigues

O primeiro movimento estratégico da China sobre a crise da zona euro, manifestado publicamente, foi feito hoje de manhã bem longe de Bruxelas ou das capitais dos países membros da zona euro em crise da dívida soberana.

Em simultâneo com a declaração de que os europeus deveriam colocar a casa em ordem, a primeira exigência "estratégica" foi colocada publicamente pela China na reunião do Fórum de Verão de Davos, que se realiza em Dalian, conhecida como a "pérola do nordeste da China" (na Manchúria), até dia 17 de setembro, com a presença de participantes de 90 países.

Gesto de diplomacia económica


"Com base nos critérios da Organização Mundial do Comércio, o estatuto pleno da China como economia de mercado deverá ser reconhecido em 2016. Os países da União Europeia podem demonstrar a sua sinceridade vários anos antes, o que seria um reflexo da nossa amizade", disse o primeiro-ministro Wen Jiabao,no discurso de abertura do Fórum. Um raciocínio que completou com total clareza: "espero que os dirigentes europeus olhem com coragem para a sua relação com a China de um ponto de vista estratégico".

Ou seja, os europeus poderiam fazer o gesto de diplomacia económica de reconhecer antecipadamente o estatuto de economia de mercado à segunda maior economia do mundo. Esta designação técnica de "economia de mercado" conduziria à remoção de várias barreiras às exportações e aos investimentos chineses na Europa.

Paradoxos dos tempos que correm


A China tem andado nas bocas do mundo com apelos para que seja um dos países fora da Europa a apagar o fogo da crise das dívidas soberanas na zona euro. Os pedidos públicos de Itália esta semana foram o mais recente episódio. Um paradoxo, diz Yu Yongding, um economista chinês: "A China é um país pobre com apenas 4000 dólares de rendimento anual per capita. Falar e pensar sobre a China para salvar países com 40.000 dólares de rendimento per capita é ridículo".

O segredo do paradoxo são as reservas em divisas estrangeiras (3,2 biliões de dólares, o equivalente a mais de €2200 mil milhões) que a China tem e a necessidade de assegurar mercados de exportação e investimento direto para a sua máquina fabril (o motor do seu crescimento) e para a projeção global.

Paradoxal, também, ouvir um país de capitalismo monopolista de Estado recomendar: "Os países desenvolvidos deverão colocar em prática políticas orçamentais e monetárias responsáveis. O que, agora, é mais importante é evitar contágio da crise da dívida soberana na Europa".

A Europa é o principal destino de exportações da China, envolvendo 22% das suas vendas mundiais. Em segundo lugar vêm os EUA.

OS BRICS - acrónimo para o grupo formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - realizarão uma cimeira em Washington DC no dia 22 de setembro antes do início das reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional, do Banco Mundial e dos ministros das Finanças do G20. Segundo tem sido difundido, as cinco economias consideradas emergentes deverão discutir a situação da crise da dívida na zona euro.





Jorge Nascimento Rodrigues é editor de www.gurusonline.tv, www.janelanaweb.com e geoscopio.tv. É igualmente Editor Executivo da Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão e colaborador do semanário Expresso.

History Research: Pioneers of Globalization (http://www.centroatl.pt/globalization/)

Most recent at Amazon Kindle: The ark of Portuguese Defaults (http://www.amazon.co.uk/1560-1902-Portuguese-default-ebook/dp/B005IGHTXM/ref=sr_1_40?s=books&ie=UTF8&qid=1314441296&sr=1-40 )


Este comentário foi originalmente publicado no Expresso Online dia 14 de Setembro 2011

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.