Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

0 prémio Nobel da Paz liquida o inimigo público nº 1

Fernando-Braga-de-Matos

Por Fernando Braga de Matos*

(Onde o autor, arregaçando a sua memória de elefante e mergulhando sem rede nos media norte-americanos, expõe umas ideias possivelmente curiosas sobre a eliminação de Bin Laden, a estatura política de Obama e a nossa inevitável e sempre apreciada teoria da conspiração).

Por esta hora, o nosso Osama poderá estar bem melhor que nós, ele envolvido com 72 virgens (belíssimas) que, tudo correndo bem para ele, já não o serão, e nós subjugados pela bancarrota socrática para dez anos, tudo túnel. Para ele é também uma sorte que, para cobrar tão invejável recompensa, não se imponha um permanente ascetismo guerreiro como o que exibia nos filmes, Kalashnikov a tiracolo e leito de pedras para descansar. Realmente, segundo os lacaios do Grande Satan que o liquidaram, não se vivia mal em Abbotabad, em moradia de luxo, camas "king size", mordomias e esposas jovens , presumo eu bem melhores que aquele bacamarte da Michelle.

Tudo bem visto, as coisas correram afinal pelo melhor para todos, pois, pelo seu lado, Obama tão pouco se pode queixar, a sorte premiando a ousadia. Ao fim e ao cabo, tudo se baseava em presunções e as probabilidades de êxito não excediam 60%, o que poderia mostrar-se coisa bem diminuta se a aragem que faz desencadear o furacão tivesse aparecido e tudo terminasse num grande fiasco modelo Carter ou Kennedy. E a escolha foi o cirúrgico assalto e não o massivo bombardeamento B1, para recuperar o corpo. Já aqui escrevi, com a lucidez fosfero-ferrero que caracteriza estas crónicas, que Obama lembra Reagan e eu penso que o êxito o persegue também a ele. Até a anedota do Prémio Nobel da Paz… Neste domínio, gosto da ironia de se saber que a pista do correio que conduziu a Bin Laden apareceu em Guantánamo, ainda por encerrar, graças a um desagradável "waterboarding" a Kalid Sheik Muhamed, o cérebro da operação do 11 de Setembro. Ah! Os bons espíritos e a suja lama do dia a dia…

Convém não esquecer que aquilo pelos Estados Unidos vai uma autêntica balbúrdia e até os nossos amigos da Standard&Poor's ameaçam macular o triplo A americano, o que significaria o fim do mundo civilizado tal como o conhecemos. Guerras exaustivas externas e insanas disputas partidárias (o orçamento esteve em risco!), quando a liderança internacional passou de indiscutível para eventual, conforme o momento eleitoral Sarkozy (a administração até inventou uma eufemística "liderança de retaguarda"), deixam apreensivos os que se habituaram ao conforto do polícia mundial a favor dos "good guys".

O que é facto é que iam ganhando terreno os que vêem a direcção dos negócios estrangeiros por Obama a fugir para o flácido, longe da estatura de superpotência surgindo como prova disso a indecisão gerindo a revolução democrática árabe, longe de um peremptória política unitária. Os seus apoiantes recordam a atitude firme com Mubarak, mas aí as coisas eram fáceis, sendo o Egipto um gigantesco colector de ajuda externa e o exército nacional uma instituição claramente ligada à América e oferecendo a imprescindível estabilidade em tempos voláteis. Com os Assads as coisas complicaram-se e mudaram e com Gaddafi nem a retórica chegou a condizer com as acções ou omissões, apesar da grande visibilidade. Valeu aqui a testoterona das mulheres da administração, nomeadamente a advocacia no Conselho de Segurança de Susan Rice, na questão da exclusão aérea. Ora voltando ao ponto, pode bem acontecer que a operação Bin Laden restitua a estatura de Obama, tal como Granada fizera com Reagan, bem abalado com a operação Líbano em 1983.

E a inevitável teoria da conspiração, mesmo a pedir floreados dada a ausência do corpo de Bin Laden? Esta secção costuma dar suculentos momentos de gozo, e, relacionadas, até temos o próprio 11 de Setembro e a nacionalidade árabe de Obama. Para salvar a situação, lá apareceu o ministro das secretas iranianas a assegurar que Bin Laden morreu por doença há 5 anos. Há sempre que ter esperança na natureza humana e nos paranóicos e atrasados mentais, para citar o Stan do "South Park".

 

* Advogado, autor de " Ganhar em Bolsa" (ed. D. Quixote), "Bolsa para Iniciados" e "Crónicas Politicamente Incorrectas" (ed. Presença). Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar


Publicado no Jornal de Negócios dia 13 de Maio de 2011

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.