Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

Escavacando

Fernando-Braga-de-Matos

Por Fernando Braga de Matos*

(Onde o autor - finalmente convencido pela sua extremosa mulher de que o indivíduo que, há uns dias, à saída de um evento na Ordem do Economistas, pronunciou umas frases fulminantes sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2012, no tom displicente de quem vem cá fora fumar um cigarro, não era um sósia de Cavaco Silva mas o Presidente da República "himself" - decide vir a terreiro aconselhar a D. Maria a não deixar o marido sozinho, pois ele pode disparatar).

Uma coisa eu sei de ciência certa, e essa é que o fraseado de Cavaco Silva que eu refiro em epígrafe deixou rigorosamente toda a gente em total perplexidade, como ficou bem revelado por tudo o que foi notícia ou comentário, quer aplaudindo quer criticando. Partindo do princípio de que o unânime boquiabertismo do País não foi um extraordinário fenómeno de basbaques, então é o comportamento presidencial que sai da coerência dos hábitos e dos princípios sempre enunciados e exibidos em toda uma longa vida política.

Para mim, trata-se de muito mais do que uma divergência de opinião ou do desencanto de votante desiludido, que isso não tem qualquer importância, nem sequer para mim próprio. É que a palavra do Presidente vai sempre muito para além do mero parecer diletante e, neste tempo e circunstâncias e daquele modo, tratou-se de acção incongruente, errada, displicente, e sem ponderação de consequências colaterais. E como isto afirmo, eis-me a apresentar os argumentos fundamentadores:

1 - O enquadramento circunstancial é o da maior crise financeira desde o final da 1.ª República e do maior período de incerteza quanto ao futuro desde o PREC de 1975 e os seus preliminares de guerra civil, e, então, as palavras do supremo magistrado da Nação têm que vir no sentido de conseguir o máximo de harmonia e coesão nacionais, inspirando e animando os cidadãos para os difíceis tempos que estão aí, augurando um futuro comum em que todos podem desempenhar um papel positivo, mesmo com sangue, suor e lágrimas. Não se esperava que Cavaco fosse um Roosevelt, inspirado e inspirador, proferindo alguma frase de grande recorte anímico, tipo " Não há nada de que ter medo, senão do próprio medo", mas, ao contrário, acrescentar dúvidas e reservas aos cidadãos em crise é o contrário da mobilização que se esperaria de um chefe de Estado, e não de alguém que, aparentemente, apenas deseja sair ileso e por cima.

1b - Apontar-me-ão, contradizendo pelo menos em parte, que Cavaco pretenderia ascender acima do Governo e dos partidos, numa atitude de reserva nacional para possíveis crises sociais e até de ordem pública. A isso contraponho que se era esse o razoável desiderato, então o modo de o fazer seria com outras palavras que não as de duríssima crítica sem aspecto redentor, um verdadeiro "tiro no porta-aviões", como classificou um respeitado dirigente do BE.

Outros, dotados de subtileza que ultrapassa a minha camionete, viram uma mensagem subliminar de crítica pelo facto de o PS ter sido indesejavelmente posto de lado nesta questão orçamental. Mas isso, que seria altamente positivo e, quanto a mim, mais do que necessário em vista de mostrar frente comum ao exterior, pura e simplesmente não está lá, nas palavras.

2 - Por muito que Cavaco invoque o nome de Teixeira Ribeiro em vão, o corte de subsídios aos funcionários públicos não é um imposto. Para quem tanto se reclama do rigor, como se pode confundir receber menos com pagar mais? O efeito pode ser o mesmo para o visado, mas os conceitos jurídico-económicos subjacentes são muito diferentes e até com repercussões opostas para efeitos de "memorandum" da troika, onde se impõe uma proporção entre cortes de despesa e acréscimos de receitas. E quereria Cavaco a insanidade de impor cortes de subsídios também no sector privado, numa bacoca e literal obediência ao princípio da igualdade? Livra!

3 - Cavaco quebrou aquilo a que adora chamar "solidariedade institucional" e a unidade dos principais actores políticos nacionais quanto aos objectivos de consolidação orçamental e limites quanto ao défice, nos termos do acordo com a EU. Ora, essa é a grande imagem positiva que o País dá lá fora, pois o que é facto é que, mesmo com a determinação do Governo, os objectivos para 2011 falharam, estando apenas encobertos com um truque contabilístico. Desaparecida a unidade, cheios de "buracos", como ficamos, vistos do exterior? Mais próximos da Irlanda ou da Grécia?

4 - Ao acenar com "iniquidades" e "sacrifícios insuportáveis", Cavaco fomentou a desagregação e incendiou o País, como se fosse um líder sindical extremista, deixando Carvalho da Silva numa frustrada obscuridade. Um manifestante de rua, injustiçado e sacrificado, que no futuro parta umas montras em plena agitação social, numa possível fotografia grega, tem todo o direito de sentir o apoio moral do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, o proclamante.

Um amigo caro tirou-me, porém, as perplexidades. Não foi o mesmo homem que em visita oficial aos Açores exclamou "Ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando o pasto que começava a ficar verdejante!"?

 

 

 

* Advogado, autor de " Ganhar em Bolsa" (ed. D. Quixote), "Bolsa para Iniciados" e "Crónicas Politicamente Incorrectas" (ed. Presença). Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar


Publicado no Jornal de Negócios dia 28 de Outubro de 2011

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.