Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

"Soundbites" cheios de decibéis

Fernando-Braga-de-Matos

Por Fernando Braga de Matos*

(Onde o autor oferece a sua ansiada visão sobre alguns eventos recentes, malhando a torto e a direito, enquanto deambula por sondagens e bancarrotas sortidas, reais ou imaginadas).

As últimas sondagens vindas a público, mesmo submetidas a severa análise, visão criptográfica e mesmo alguma sevícia numérica, têm uma coisa em comum: são incompreensíveis, por incompatibilidade entre pressupostos e conclusão, pois não é racionalmente possível apontar o inimigo público José Sócrates como principal responsável pela massiva crise em que vivemos e pô-lo, todavia, em posição de vencer as eleições, isto mesmo que o adversário fosse Átila, o Huno. Claro que pode haver a distorção afectiva do refém, uma espécie de Síndrome de Estocolmo, como tem sido apontado, em que o eleitorado, abalado, confundido e ansioso, se deixou capturar em submissão. Até corre por aí, a propósito, uma excelente piada, segundo a qual, na hipótese de vitória do PS, se poderia montar um grande negócio à Futre, organizando charters, nos quais enxames de politólogos estupefactos viriam observar o fenómeno "in loco". Não seria apenas a inversão da dialéctica crime e castigo, uma coisa para ser trabalhada por um novo Tolstoi, com uma história às avessas; na época de rigor, contenção e sacrifício em que vamos cair, era por a decisão dos cortes e sacrifícios a uns tipos conhecidos por salvar os anéis, sacrificando os dedos, incluindo os usados para tocar a guitarra da festa acabada. Era caso para pensar que Portugal não necessita prioritariamente de melhores políticos mas, antes, de melhores eleitores.

Agora que o FMI anda pelo Terreiro do Paço, de braço dado com o BCE e a CE, à cata de contas e notas de conto, dá nas vistas a posição barba rija do PCP e do BE, acompanhados da enfeudada Intersindical, condenando o pedido de ajuda (aliás mais que tardio). Essa prédica esquerdista, por relação, dá cátedra de economia ao discurso patriótico/pindérico de Sócrates, que punha entre ele e o FMI os dez milhões de portugueses (seguramente como reféns). Pelas esquinas, pelos jornais, pela blogosfora, corre, há já uns tempos, uma estória de heróica resistência da Islândia, recusando-se a aceitar as imposições de um "bail-out" exterior.

Como as coisas, no geral, estão a ir bem para os islandeses, o grito do povo deveria ser para fazer "igual", recusando as harpias da ajuda externa. Ora, a Islândia tem, sim, um problema com a Inglaterra e a Holanda, devido às perdas sofridas por nacionais destes países, alegadamente preteridos nas salvaguardas legais dos depósitos bancários no falido Landsbanki, cujo resgate o país recusou, em referendo. Não foi o estado soberano que declarou falência, pois a seguir à convencional receita do FMI, tomada e executada, a ajuda financeira permitiu à Islândia sair da crise. Logo, o exemplo islandês é bom, os factos é que estão mal contados. Não resgatar um banco é uma coisa, o Estado cessar pagamentos aos credores é outra, e a Islândia não rasgou qualquer compromisso. Custa lembrar, mas o Lehmans, o do descalabro, foi um banco que se deixou cair e na Islândia aconteceu o mesmo, também com graves sequelas, mas sem ruptura de pagamentos da dívida soberana que acarretaria a insolvência do Estado.

O que seria interessante era que tal gente das estórias ilusionistas recordasse um exemplo de efectiva bancarrota, como a Argentina em 2001, essa a verdadeira alternativa para o caminho tomado por Portugal. Lá, a fome chegou às classes médias, e as pessoas, mesmo despojadas de salários e pensões que só apareciam esporadicamente, nem dispor podiam livremente dos seus depósitos bancários, graças ao chamado "corralito", o exemplo acabado da poupança forçada. Quando a razia do valor chega a 75%, então esse caminho ou outro semelhante não é seguramente de apoiar, mesmo travestidos de amanhãs que cantam. Para o bem e para o mal, com o crédito não se brinca.

 

* Advogado, autor de " Ganhar em Bolsa" (ed. D. Quixote), "Bolsa para Iniciados" e "Crónicas Politicamente Incorrectas" (ed. Presença). Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar


Publicado no Jornal de Negócios dia 29 de Abril de 2011

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.