Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

Benefício da dúvida

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

O pior na crise actual é a falta de esperança. A decomposição acelerada do Governo põe todos a pensar em alternativas. Mas nenhuma granjeia um mínimo de credibilidade. As coisas estão mal e só se vislumbra que piorem. O mais grave não é o sofrimento actual. É não se ver saída.

É importante dizer que este desânimo não vem da situação real. As circunstâncias são duras mas claras. Não é difícil saber o que há a fazer. O caminho é exigente mas sem mistérios. Vivemos em décadas recentes situações bem piores de onde saímos bem. E então a desorientação e desilusão não eram tão grandes como agora. É verdade que a geração actual tem um grau de exigência diferente, sem a capacidade de trabalho e poder de encaixe dos seus pais. Mas quem não tem dinheiro não tem vícios, e quando não há escolha as condições depressa ensinam a saída.

Mesmo assim temos de admitir que as dúvidas sobre o sucesso do futuro Governo, qualquer que seja, são legítimas e justificadas. Não tanto pela dificuldade da tarefa ou falta de qualidade dos prospectivos líderes e técnicos, mas devido à manutenção das condições que nos enfiam no buraco há 15 anos. Os interesses instalados, direitos adquiridos, bloqueios regulamentares e exigências processuais não mudariam com a troca de Executivo. Os grupos de pressão souberam criar contactos em todos os partidos de poder para proteger as suas benesses. A rede que estrangula a economia, se foi apertada por Sócrates e o PS, pode bem sobreviver-lhes.

Apesar disso, com novos líderes surgiria uma inegável oportunidade que não podemos desprezar. É provável que falhe, mas temos de tentar. Mesmo com políticos maus e sob influência dos lobbies, é possível um Executivo diferente chegar onde este falhou. E a prova disso é... José Sócrates.

Quando surgem ministros novos, não envolvidos nas culpas da situação, sem necessidade de justificar erros antigos, livres de compromissos passados e ainda desconhecendo as manhas do poder, existem condições reais para reformas efectivas. Mais ainda se a população, assustada pelas circunstâncias, exige mudanças corajosas e está disponível para suportar os sacrifícios inerentes. E essas condições são em grande medida independentes da qualidade e cor política dos protagonistas. A situação portuguesa de 2005 constitui exemplo evidente.

Já poucos se lembram, mas há cinco anos vivia-se por cá uma conjuntura paralela à actual. Toda a gente sabia que a crise financeira era séria e só a austeridade nos podia salvar. A culpa ficara com o PSD, que governara de 2002 a 2004, e o recém-eleito Governo maioritário do PS prometia medidas duras e reformas radicais que eliminariam de vez o flagelo do Orçamento. O Executivo era composto por políticos implicados na gestão socialista da década anterior e no falhanço que conduzira à maioria PSD-PP de 2002. Só que, passados três anos, o novo governo aparecia como inocente, competente e empenhado. Estavam criadas as condições para a correcção da crise.

Estes factos são precisamente aqueles que desanimam muitos analistas. Constatamos que esta é a quarta vez em menos de dez anos que repetimos o mesmo cenário de crise. Apesar das promessas, as sucessivas austeridades de Guterres, Durão e duas vezes de Sócrates mostraram-se incapazes de corrigir a situação. Pior ainda, os políticos futuros vêm da mesma cepa dos que sabemos terem falhado.

Mas dizer isto é esquecer como estivemos próximo de conseguir resolver a questão. Se Sócrates tivesse feito o que prometera, se tivesse querido mesmo controlar o défice em vez de o tapar com impostos, se a atitude reformista fosse mais do que uma pose, se não se tivesse caído nos recuos das remodelações, manipulações mediáticas e trapalhadas boçais, a nossa situação seria bem diferente.

As condições que Sócrates desperdiçou em 2005 e 2006 são dificilmente reproduzíveis. Além disso, circunstâncias não bastam, e as qualidades dos decisores são cruciais. Mesmo assim é nosso dever, e uma posição realista, dar pelo menos o benefício da dúvida ao futuro Governo.

 

 

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 29 de Novembro 2010

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.