Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

Bónus milionários

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

Uma das poucas certezas absolutas neste tempo confuso é que são escandalosos os bónus pagos aos banqueiros. Todos sabem que os bancos receberam enormes ajudas públicas para tapar os seus erros e usam- -nas agora para encher os bolsos, aliás como sempre.

De facto há casos vergonhosos, mas mesmo nesses as coisas são mais complicadas do que parecem. É preciso perceber o problema, saber porquê e onde está o mal. O que não é fácil, pois nada é mais avassalador que um preconceito de um tempo que se acha sem preconceitos.

A irritação genérica contra a banca é tolice. Será que é boa ideia pagar mal às pessoas que tratam do nosso dinheiro? Não será a sua própria função uma justificação para aquilo que tanto nos irrita? Percebe-se a indignação, mas qual é exactamente a alternativa que os críticos propõem?

Saberíamos nós fazer o que eles fazem? Nesta crise muitos se divertiram à custa da complexidade dos modelos e produtos que falharam. Mas apesar desse paradoxal orgulho de ignorância, não mostrou a crise precisamente a complexidade e riscos do sector? Devemos pagar mal a quem trabalha com produtos não só explosivos mas terrivelmente complicados? Claro que os financeiros que falharam devem ser punidos, e foram-no largamente. Mas esse mesmo falhanço parece indicar que os sobreviventes devem ser mais bem, não mais mal remunerados. Perante o desastre, muitos dizem que esses produtos nunca deviam ter existido. Também se diz o mesmo nos acidentes com aviões, dinamite ou centrais nucleares e todos gostamos dos benefícios quando corre bem.

Este é o elemento essencial: a banca ganha muito porque produz muito. Grande parte do crescimento das últimas décadas deve-se ao melhor acesso ao capital gerado pela globalização financeira. Vimos isso bem em Portugal. Há 25 anos era caro pedir dinheiro ao banco, e isso estava vedado a muita gente. Muito do espantoso desenvolvimento empresarial e social destes anos nasceu de melhorias financeiras.

Mas esses produtos, extremamente poderosos, são também muito perigosos. É fácil, como sabemos bem, embrulhar-se em dívida e cair em crise. Tal como em tantas outras coisas que o progresso nos trouxe, o seu mau uso não nos pode cegar para os benefícios.

Se Portugal subiu muito, o mundo teve um crescimento ainda mais notável. Foram arrancadas à pobreza 500 milhões de pessoas em dez anos, mais que em muitos séculos anteriores. Vários factores explicam isto, mas um dos principais é a tal globalização financeira, a mesma que propagou a crise. Agora que estamos a corrigir as consequências dos abusos, temos de prevenir os erros, mas sem estrangular um poder que permanece vital.

Então onde está o mal? A correcção indispensável centra-se em dois pontos. Um, de que todos falam, é a revisão das leis e práticas de supervisão financeira. Outro, mais importante e silencioso, é a governação das empresas. Quem dirige a companhia? Como podem accionistas, trabalhadores e clientes, controlar essa administração? Este magno problema não se reduz ao sector financeiro, mas está bem presente na questão dos bónus. Quando a paga é determinada por amigos, que se apoiam uns aos outros, é inevitável o abuso.

Aqui um facto recente em Portugal revelou um terrível problema no momento mais delicado. O Instituto Português de Corporate Governance (www.cgov.pt), associação de empresas e empresários, andou anos a elaborar um Código de Bom Governo das Sociedades que, depois de muito trabalho, consultas e debates, levou a aprovação na assembleia geral de 29 de Janeiro passado. Dias antes "um grupo de grandes empresas portuguesas, que integram o PSI-20 (...), recusaram-se a assinar a versão final" (Público 29/Jan.), o que levou a direcção do instituto a demitir-se.

A lista de nomes de ambos os lados deste embate parece uma selecção das figuras mais marcantes da nossa economia. Não é claro ainda o que isto quer dizer mas, o que quer que seja, é muito mau sinal, em especial neste momento. Entre os graves problemas que se ligam aqui, o dos bónus dos banqueiros é um dos menores.

 

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 15 de Fevereiro 2010

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.