Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

O dedo e a lua

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

"Quando o sábio aponta a lua, o tolo só vê o dedo." Este velho provérbio oriental é um excelente diagnóstico da nossa situação política, financeira, social, cultural, intelectual. O problema latente na atitude portuguesa é, há séculos, sempre criticar o mensageiro sem atender à mensagem.

O drama do consulado de José Sócrates, que monopoliza a vida nacional há muitos anos, é precisamente este. Quando surgiu no topo da cena nacional, em 2005, o sr. primeiro-ministro fez excelentes análises das nossas dificuldades, então atribuídas aos governos PSD. Mas, embora nunca deixando de criticar as mãos que o antecederam, Sócrates apontou a lua. Prometeu reformas decisivas, traçou planos ambiciosos, desafiou os instalados, apresentou coragem e iniciativa.

Em breve, porém, se notou que o Governo deixara de olhar para o céu e se centrava exclusivamente no seu próprio dedo. A questão absorvente era a imagem do Executivo, as críticas dos jornais, a permanência no poder. Multiplicavam-se os cargos nos gabinetes, projectos de favor, favores a amigos. Apesar disso, vivemos alguns tempos preocupados com as questões concretas, défice, desemprego, recuperação. Até começarem as críticas sérias ao Governo. E essas tratavam não da lua mas só do dedo.

As questões que interessavam à imprensa e oposição eram não se Sócrates governava bem mas se a sua licenciatura fora regular. A justiça nos crimes da Casa Pia e outros processos gravíssimos importava menos que o impacto disso nas lutas entre barões. A localização do aeroporto tornou-se mero joguete entre promessas e contrapromessas, esquecendo a discussão de, afinal, o que seria melhor. Só se falava de dedos.

Então, o Governo reagiu e, mais uma vez, em vez de discutir a mensagem, atacou os mensageiros. Nos vários casos, do Freeport à "Face Oculta", da TVI ao Sol, a questão não é nunca a substância da acusação mas a crítica aos métodos usados pelos acusadores. Grita-se e gesticula-se muito, mas a nuvem de suspeita permanece, porque nunca se esclareceu o fundo da questão. Até os próprios problemas da justiça não tratam de justiça, mas da própria Justiça.

Também no Orçamento para 2010 tivemos um exemplo excelente disto. O nosso défice subira muito em 2009 e, sem medidas duras, iria manter-se em 2010. Em vez de tomar essas medidas, tentou-se a esperteza saloia de empolar o valor do ano passado para poder fingir que desce este ano sem grandes custos. Se fosse só para Portugal, a coisa teria passado. O bluff falhou porque os mercados internacionais não ligam a dedos e olham sempre e só para a lua. Qual a reacção do ministério? Criticar Comissão, FMI, agências de rating e mercados. Mais uma vez trata apenas do indicador.

Infelizmente, a tolice básica ultrapassa em muito a deprimente saga política. Esta é mesmo a tradicional abordagem lusitana de insultar do árbitro em vez de chutar à baliza. Não interessa a lua, só o apito que aponta. Não é apenas no Parlamento, mas também nos cafés, que se ouve criticar a pessoa que fala como forma de responder ao que ela diz. É espantosa a quantidade de gente que acha mesmo que denegrir ou mostrar os interesses do orador basta como argumento para invalidar a veracidade e relevância do que afirma.

Na nossa vida cultural e intelectual, a evidência é a mesma. Temos poucos artistas marcantes, autores que perdurem, obras de referência. Mas existe enorme multidão de "agentes de cultura", catedráticos, investigadores, "promotores culturais", "cultos" em geral, que se exaltam e criticam mutuamente. A sua agitação gera muito calor e pouca luz. A nossa intensa vida cultural e científica raramente olha para a lua, limitando-se a comentar os dedos uns dos outros. Nos jornais é pior.

Quando em textos anteriores critiquei os intelectuais portugueses, recebi sempre o mesmo comentário inevitável: isso é também uma autocrítica. Claro que sim. Mas note-se como o comentário é típico de intelectual português: não adianta uma linha à compreensão da questão; limita-se a criticar o dedo que aponta a lua.

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 22 de Março 2010

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.