Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Domingo,�31 deMaio,�2020

O sucesso do Governo

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

Já tudo se disse sobre o memorando de entendimento entre Portugal e as organizações internacionais. Temos aí um plano, exigente mas equilibrado, para regressar à solidez financeira e crescimento económico.

Basta que o próximo governo o assuma como prioridade e vença os grupos de pressão, aqueles que nos trouxeram a esta situação e ainda estão vivos e activos para se protegerem dos cortes.

O mais espantoso neste processo é que, na miríade de comentários, mal se tenha falado do pior problema estrutural do país que, apesar de compreensivelmente alheio ao memorando, está por baixo de boa parte das dificuldades actuais: a decadência demográfica. Portugal tem a taxa de fertilidade mais baixa da Europa ocidental, quase metade do nível de reposição das gerações. Somos um país em via de extinção.

A crise torna essa queda mais patente com o refluxo da imigração, que mascarou a situação, agravado pela retoma da emigração. A ausência de crianças e jovens, que afecta o sistema educativo há anos, sente-se já em múltiplas outras áreas. Falta de produtividade, envelhecimento da população, problemas de segurança social, saúde, assistência, etc., são crescentes. Até a solução da dívida, poupar mais e trabalhar melhor, fica difícil num país com percentagem crescente de idosos. Temos a atenção centrada na solução das futuras condições socioeconómicas, sem haver sequer a certeza de existir um futuro.

Nos últimos anos, o Governo teve uma posição clara e empenhada neste assunto, com decisões fortes e incisivas. Facilitou o divórcio, subsidiou o aborto, promoveu o casamento homossexual, criando assim a mais maciça campanha de ataque e desmantelamento da família da nossa história. Dados os resultados, pode dizer-se que, pelo menos aqui, a política governamental foi um grande sucesso e o Executivo pode orgulhar-se. Deu mesmo cabo do País!

Até no meio da crise financeira, esta campanha ideológica continua imparável. Um exemplo um pouco tonto mostra-o bem. Nas últimas semanas, as ruas foram invadidas por um cartaz, assinado pela Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida e pelo Ministério da Saúde, com uma única mensagem: "Uso preservativo sempre."

Será que os nossos responsáveis querem mesmo aquilo que dizem? Devem os cidadãos usar sempre o preservativo? Mesmo sempre? É isso que a senhora ministra, secretários de Estado, todos os médicos e funcionários fazem na sua vida pessoal e recomendam vivamente aos portugueses?

Imaginem o Ministério das Obras Públicas fazer uma campanha a dizer: "Use capacete sempre." De facto nunca sabemos quando uma coisa nos vai cair na cabeça. Mesmo assim tal propaganda seria paranóica e ridícula. Mas um cartaz desses à entrada das obras ou dirigido a motociclistas faria todo o sentido. Do mesmo modo o Ministério da Saúde tem justificação em recomendar o preservativo nas relações sexuais perigosas e inseguras. Mas não é isso que faz. Ele impõe o preservativo sempre.

Qual a razão por que o Executivo assume que o deboche e a promiscuidade são a condição normal, a ponto de divulgar esta mensagem por todo o País? Não se trata de posição médica ou científica, mas de atitude ideológica. O prazer venéreo é, na doutrina que inspira os nossos governantes, o valor supremo e intocável. Por isso se facilita o divórcio, se torna o aborto barato e acessível, se dignifica a perversão. O País anda aflito mas não poupa nos preservativos.

Até os médicos, que não têm problemas em nos dar ordens em todos os aspectos da vida, hesitam neste tema. Cortam-nos o tabaco, fritos, açúcar e sal, impõem exercício, regulam o sono, determinam os mais pequenos detalhes do comportamento, mas calam-se quando está em causa a líbido triunfante. Aí, o máximo que se atrevem é recomendar preservativo, sem sequer falar sobre a inconveniência de práticas sórdidas, perversas ou desviantes, mas que são sagrada liberdade.

Isto é um pormenor ínfimo, mas muito revelador. As futuras gerações terão muita dificuldade em entender esta tolice. Se chegar a haver gerações futuras, claro.



Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 16 de Maio 2011

 

Comentários (1)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.
Uhm
Este comentário seu "Facilitou o divórcio, subsidiou o aborto, promoveu o casamento homossexual, criando assim a mais maciça campanha de ataque e desmantelamento da família da nossa história" é no mínimo parvo.

Você acha que quem ia aborta nao o faria na mesma? E que quem se divorcia ia ter filhos? E que os homosexuais o iam fazer?

Tenha juízo
Pedro Leite , 19 de Maio, 2011

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.