Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

Por quem os sinos dobram

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

O site WikiLeaks foi lançado no final de 2006, declarando nos seus princípios: "O nosso interesse principal é expor regimes opressivos na Ásia, no antigo bloco soviético, África subsariana e Médio Oriente, mas também esperamos ajudar pessoas de todas as regiões que pretendam revelar comportamentos não éticos dos seus governos e empresas."

Só que rapidamente percebeu que teria influência e fama apenas se invertesse a orientação e se dedicasse a regimes ricos não opressivos, aliás, prejudicando o tal "interesse principal".
Foi ganhando impacto em problemas controversos, da cientologia aos bancos islandeses e à guerra no Afeganistão, mas a 28 de Novembro de 2010 subiu à condição de ídolo das massas com o duvidoso projecto de revelar 250 mil mensagens diplomáticas americanas. Este projecto, ainda em andamento, é muito diferente dos anterio-res e da filosofia inspiradora. Não existe nenhum benefício ético ou político específico ou sequer um propósito definido. Como uma arma de destruição maciça, atinge indiscriminadamente os alvos mais diversos e inesperados. O portal não é o terror de Chávez, Ahmadinejad ou Putin, mas de Hillary Clinton, David Cameron e Santos Ferreira, do BCP.
Uma coisa é revelar fraudes secretas de dirigentes, outra muito diferente é divulgar segredos razoáveis que a lei protege. Isto é sabotagem e traição. Como se explica então uma adulação tão entusiástica, vasta e diversificada? A razão é a mesma que antes des-viara o site do seu propósito declarado.
As pessoas que vivem em regimes realmente opressivos não precisam nem beneficiam da denúncia daquilo que todos sabem, todos suportam e ninguém resolve. O tirano teme mais a faca do traidor que a fúria das massas ou a denúncia dos jornalistas. Pelo contrário, é nos regimes livres e democráticos, onde as coisas em geral funcionam razoavelmente, que existem multidões de insatisfeitos ansiosos por denunciar violentamente malfeitorias menores.
O fenómeno WikiLeaks é um espelho das tendências suicidas da sociedade mediática. A liberdade cria sempre expectativas superiores às possibilidades. Por isso, apesar dos ganhos indiscutíveis, sobretudo face às alternativas, multiplicam-se os desiludidos, indignados, revoltados, que usam a própria liberdade para a destruir. Isto aconteceu no início do século passado na Rússia, Itália e Alemanha com resultados catastróficos para o mundo. Agora o fenómeno renova-se com meios diferentes.
Os inimigos da democracia têm, no WikiLeaks e seus clones, instrumentos muito mais eficazes que um partido neo-nazi ou até uma cé-lula terrorista. Fazendo-o em nome da liberdade. As massas de jovens rebeldes e progressivos que hoje adulam Julian Assange ficariam lívidos se o vissem comparado a Lenine, Mussolini ou Hitler. Nem reparam na semelhança entre a sua própria euforia e a dos jovens rebeldes e progressivos que há 80 anos vitoriavam os ditadores. Mas o paralelo é evidente até nos pormenores, como o culto de personalidade e o racismo.
A obsessiva presença da foto de Assange, o jovem e louro australiano, em todas as páginas do portal retoma práticas nazis ou estalinistas. Por outro lado, o facto de ser jovem, louro e australiano é decisivo no processo. Como reagiria o mundo e a corte de admiradores se o site fosse dirigido por um velho russo ou norte-coreano? Como seria considerada esta maciça bisbilhotice oficial se o rosto público fosse um terrorista muçulmano ou um banqueiro zarolho de nariz torto? O sucesso exige um hacker com aspecto de actor de cinema. Cada geração, dizendo-se isenta de discriminações e chauvinismo, tem tantos preconceitos como as antigas. São é diferentes. Por isso os ataques à sociedade livre surgem sempre do lado oposto dos anteriores. Hitler era o inverso do Kaiser, Napoleão o simétrico de Luís XVI.
Esta é a origem do velho provérbio de John Donne, repetido na novela de Hemingway (1940) e na canção dos Mettalica (1985): "nunca mandes saber por quem os sinos dobram; eles dobram por ti" (Devotions upon Emergent Occasions, 1624).


Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 10 de Janeiro 2011

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.