Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

Portugal confiante

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

Era preciso dizer ao Governo que a coisa não está a resultar. Era bom alguém informar o Parlamento que já ninguém acredita.

Era conveniente avisar as autoridades que estão a destruir-se a si próprias. Não vale a pena repetir cerimoniais pomposos de dignidade, fundamento e justificação se a credibilidade se esfumou. Não serve de nada compor retóricas elegantes e juras indignadas, porque ninguém as leva a sério. É inútil representar uma comédia que perdeu a graça. Podem convencer-se a si mesmos e aplaudir correligionários, mas o público já nem sequer se indigna. Limita-se a bocejar.

A patética desorientação dos oito meses do Governo Sócrates é excruciantemente evidente. Às garantias que tudo vai bem seguem- -se jactos de medidas drásticas, que asseguram que tudo vai ficar bem, e todos tomam como provisórias. Perante a gravidade da crise a improvisação diz-se estratégica. Já nem se dão ao trabalho de fingir planeamento coerente e lógica de suporte. O País dói-se da desorientação.

Será isto assim tão grave? Afinal, sem tirar nada ao grotesco, a circunstância é típica de fim de ciclo. Não é a apoteose da corrupção, nem sequer o estertor da democracia. Por caricata e degradante que seja, tudo se esvairá com nova orientação. À penosa inanidade da sociedade americana no segundo mandato de Bush seguiu-se sem interrupção a euforia extática da eleição de Obama. Mesmo com crise financeira, todos esqueceram o que tanto os afligia semanas antes.

Alguns políticos têm a lucidez de evitar a dolorosa agonia. Cavaco Silva não se recandidatou em 1995 porque: "Tenho de ter a sabedoria de retirar-me antes que os Portugueses se cansem excessivamente de mim" (Autobiografia Política II, Círculo de Leitores, 2004, p. 485). António Guterres demitiu-se em 2001 para "evitar que o País caia num pântano político".

Infelizmente existem também aqueles que insistem em continuar um mandato zombie, confundindo teimosia com persistência. Chega-se com demasiada frequência à situação-limite do clássico ataque parlamentar de Leo Amery a Neville Chamberlin a 7 de Maio de 1940, citando uma referência com três séculos: "Isto foi o que Cromwell disse ao Long Parliament quando pensava que esse já não era capaz de conduzir os assuntos da nação: "Esteve demasiado tempo aqui para qualquer bem que possa ter feito. Parta, e livre-nos de si. Em nome de Deus, vá-se embora!"" O Governo caiu.

Entretanto, as consequências do impasse são graves. No meio da crise do euro, em que Portugal ocupa um papel delicado, a vacuidade do nosso Executivo tem de ser muito prejudicial. Mesmo assim, a coisa está longe de ser dramática, pois os aspectos mais ridículos não ressoam fora do nosso burgo e os mercados atendem mais a indicadores que a tolices. É pior que um Governo acossado seja um bónus para os grupos instalados, que negoceiam benesses em troca de balões de oxigénio. Mas o verdadeiro perigo está noutro lado.

Como nos alcoólicos anónimos, é a nossa antiga experiência democrática que pode tornar maligna a infecção. Portugal viveu décadas de vida política decadente, no liberalismo e Primeira República. Os governos sucediam-se, todos piores que a própria caricatura. O povo arrastava o descrédito de uma elite que actuava para si mesma, sem soluções, estratégia ou até vergonha. Os arroubos de novidade, como o que estabeleceu o regime de que celebramos o centenário, rapidamente se esvaíam num marasmo pior. As esperanças, sempre iludidas, traziam mais amargura que alívio.

Esses tempos podem parecer-se com os últimos meses, mas não podemos esquecer que a revolução de Abril quebrou o velho enguiço. Pela primeira vez na nossa história temos uma democracia a funcionar. A delirante persistência de Sócrates não chega para destruir este sucesso estrutural. Além disso, temos hoje uma sociedade aberta, ao contrário de há cem anos, e pacificada, ao contrário da Grécia. Para vencer esta fase difícil sem cicatrizes duradouras só nos falta uma coisa: confiança social no regime que nos tem servido bem há 36 anos.

 

 

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 28 de Junho 2010

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.