Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

Uma questão de educação

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

A senhora ministra da Educação é uma pessoa séria, respeitadora, democrática. Por isso, não tem certamente dificuldade em entender o alarme e a preocupação que alguns pais sentem perante o que o seu ministério se prepara para apresentar como educação sexual.

São mesmo muitos os pais, além de professores, educadores e pessoas de boa vontade, que se inquietam, e não são fanáticos, maníacos ou desequilibrados.. A senhora ministra, cuja função é servir o País e a formação dos jovens, tem de compreender isto.

Não entremos na conversa administrativa e legal com que o inistério se protege como mandam os pergaminhos. Sabemos que tudo se faz com o melhor propósito educativo e técnicas pedagógicas. Sabemos que há liberdade no uso das horas de aula e dos conteúdos, que devem ser adequados ao projecto educativo. Nós sabemos, mas nem todos sabem. Sabemos que os pais têm de ser informados de todas as actividades nesse âmbito. E sabemos que raramente o são. Até sabemos que os famigerados kits da Associação para o Planeamento Familiar (APF) se destinam aos professores e que nunca devem ser mostrados aos alunos. Mesmo assim, será que a senhora ministra não compreende o alarme e a preocupação de tantos?

Comecemos pelo óbvio, até porque neste assunto isso tem sido o mais distorcido. Existe uma coisa chamada pudor, dominante nestes temas. É verdade que muitos, em nome da liberdade de expressão, se esforçam hoje por fingir que não o conhecem e fazem vasta campanha de engenharia social contra ele. Mas as pessoas educadas sabem bem o que isso é, e o Ministério, se quer ser de educação, tem de o assumir. Se insiste em tratar assuntos destes como mera "educação para a saúde", muita gente decente fica alarmada. Há muito mais, para lá de saúde, envolvido no comportamento sexual. Sem regras claras e sérias, as crianças ficam à mercê dos caprichos e equívocos do docente que lhes couber.

A senhora ministra também não ignora que estes temas estão hoje embrulhados em profunda polémica ética, em que cada lado defende o que o outro acha horrível. Há 50 anos, era assim nos temas económicos, com alguns iluminados proclamando que a sua posição radical era a única via aceitável para a modernidade e a justiça. Muitos países caíram na armadilha de os levar a sério, com consequências desastrosas que ainda persistem. Em ambien- tes de grave controvérsia e indefinição, as entidades oficiais devem ter os cuidados que se impõem. Saindo em defesa aberta de um dos lados, mostram--se tirânicas e intolerantes. A senhora ministra sabe a prudência que se exige em momentos assim.

Também tem de saber que, neste confronto, a APF se situa num dos extremos da polémica. A auto--erigida guardiã nacional da ortodoxia erótica é considerada por muitos como um talibã radical e militante. Aliás, os sintomas são evidentes: basta considerar a retórica arrogante, supino desprezo pela opinião alheia e esforço patético para mascarar de resultado científico uma posição moral e ideológica particular. Quando o Ministério permite a ambiguidade que vai impondo essa associação privada como referência pública, sem procurar alternativas que equilibrem o panorama, torna-se cúmplice da distorção.

Não entremos nos pormenores com que tantos se deliciam. Este tema deu muito grão para o irresponsável moinho mediático, que se excita pela controvérsia sem olhar à gravidade do que está em causa. A educação sexual é tema central e decisivo. Por isso mesmo, tem de ser tratado com respeito, ponderação, equilíbrio e seriedade. Não se podem copiar exageros como o da Espanha, que, numa patética tentativa de ser a vanguarda, manifesta a parolice do saloio modernaço. Devemos, antes, copiar os países realmente avançados e desenvolvidos, o seu respeito democrático pelas várias posições e os cuidados que temas delicados merecem.

O que sabemos do que o Ministério pretende impor como educação sexual não garante o respeito pelos direitos das famílias portuguesas. Só nos resta confiar nas qualidades de mulher e cidadã da senhora Ministra da Educação.

 

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 19 de Julho 2010

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.