Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�14 deNovembro,�2019

'Wall Street'

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

A crise financeira é um tema irresistível para o cinema. Com todo o dramatismo das grandes turbulências, inclui o fascínio da riqueza e a magia dos poderes ocultos. Oliver Stone marcara o género em 1987 com o memorável Wall Street, sobre a geração dos yuppies e junk bonds. Agora regressa com Wall Street: Money never Sleeps, um filme inteligente, delicado e penetrante.

O seu grande valor é não ficar pelos clichés e caricaturas fáceis, mostrando pessoas de carne e osso no terrível turbilhão financeiro. Aí descobrem que afinal "o dinheiro não é o activo principal na vida. O tempo é que é" (Gordon Gekko).

A obra não pretende explicar os mecanismos das flutuações bancárias. Essa é a finalidade do documentário Inside Job, de Charles Ferguson, 2010, como fora o de Capitalism: A Love Story, de Michael Moore, 2009. O novo filme tem menos exuberância e mais qualidade que o do ano passado (pois o tema principal dos filmes de Michael Moore é sempre... Michael Moore). Apesar disso, Inside Job falha precisamente pelas mesmas razões. Em ambos, o autor/realizador tem uma teoria da conspiração e todo o esforço se dirige, não a entender o problema, mas a caçar argumentos que confirmem a tese de partida.

A conclusão dos dois documentários é a mesma, e tão vasta e genérica que fica evidente a sua inanidade: a culpa da crise é a esmagadora cobiça de toda a classe financeira, que já contaminou a universidade e a política americanas ao mais alto nível. Se é assim, qual a solução? Será os cineastas tomarem conta da gestão bancária, supervisão financeira e política monetária?

Não tem Ferguson alguma razão? Sim, e por isso o seu fiasco é tão grave. É verdade que o grave colapso mostrou enormes vícios, erros e fraudes no sistema, que merecem ser examinados, entendidos e castigados. Fazer essa análise cuidadosa teria sido um contributo precioso. O simplismo, indignidade e atrevimento pateta do filme impedem-na totalmente. Aliás, acusar a ganância e estupidez não serve, porque sempre houve tanto por aí que, se fosse só isso, estaríamos sempre em crise.

A desonestidade intelectual de Ferguson é só comparável com a crueldade com que trata os alvos. Lançado na cruzada, selecciona dados, corta opiniões, manipula informações e distorce factos para espremer tudo na sua forma ideológica. Se temos o gozo de ver ridicularizados alguns poderosos, não se avança nada na compreensão do fenómeno.

É notável que o autor tenha conseguido entrevistar alguns dos mais reputados participantes e estudiosos da crise de 2008-2009, incluindo grandes economistas como Martin Feldstein, Frederic Mishkin, Nouriel Roubini (também em Wall Street 2) e Raghuram Rajan, e políticos de primeira linha como Lee Hsien Loong, primeiro-ministro de Singapura, Christine Lagarde, ministra das Finanças francesa, ou David McCormick, subsecretário do Tesouro da Administração Bush, entre outros. Mas é ainda mais espantoso que, tendo essas entrevistas, o autor não procure saber como esses notáveis explicam os acontecimentos ou justificam as acções. O que lhe interessa são acusações grosseiras, conspirações mirabolantes, detalhes processuais ou, em certos casos, simplesmente fazer passar por parva a individualidade que teve a simpatia de o receber. Pode dizer-se que este filme é o maior desperdício de recursos valiosos de toda a crise.

Isto é importante porque mostra o alastrar de uma forma de jornalismo-espectáculo, onde seriedade, equilíbrio ou mera decência são substituídos por diagnósticos radicais e acusações bombásticas. Muita gente considera isto um relato útil.

É particularmente irónico que tal simplismo, indignidade e atrevimento seja comparável ao dos próprios banqueiros que geraram a crise, e que o filme pretende condenar. Mas é pior, pois o cineasta arroga-se o papel de polícia, acusador, juiz, júri e carrasco, coisa que, em toda a sua influência, os financeiros nunca conseguiram. Por isso, dizer que Inside Job é o Lehman Brothers do documentário económico seria uma injustiça... para o Lehman Brothers.

 

 

 

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no DN dia 22 de Novembro 2010

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.