Facebook BI

Quinta-Feira,�23 deNovembro,�2017
Euro em Minimos - NL BonsInvestimentos Maio 2010

Newsletter BonsInvestimentos.com
Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Vol. 6 - Edição 5
Maio de 2010

As Bolsas em Abril 2010

Os índices bolsistas dos EUA terminaram o mês de Abril e o trimestre com ganhos O Dow Jones terminou nos 11.008 pontos.  O Standard & Poors 500 fechou nos 1.187 pontos, uma subida mensal de 1,5%. O Nasdaq encerrou nos 2.461 pontos, uma subida de 2,6% em Abril.

O PSI-20 terminou o mês a cair, ficando nos 7408. Apresentou uma queda de 8,56% no mês.

No Brasil o Bovespa fechou nos 67.529 pontos. O indicador acumulou uma queda no mês de 4%.

Taxas

Os bancos centrais estão a aguentar as taxas de juro que reduziram aos minimos de décadas para tentar enfrentar a crise. A Reserva Federal Americana, tem a taxa dos fundos federais nos 0,25%. O BCE tem a taxa de juro em 1%. Segundo a minha análise a margem de manobra nas taxas está esgotada, a partir daqui a tendência é de subida provavelmente a ter início já no segundo semestre de 2010.

DowJMai10

SPXMai10

NasMai10

PSI20Mai10

 

The Big Picture - Maio 2010


Os índices bolsistas americanos voltaram a subir em Abril. O S&P 500 subiu 1,5%.

Os EUA e o mundo enfrentam uma situação financeira de proporções enormes. O mundo da moeda de papel ou electrónica e o crédito massivo está a abater-se sob o a pressão da dívida que não é paga.

A depressão inflacionária tornou-se mais visível há 14 meses e está a começar a ganhar velocidade.


Na última década e meia o mundo tem vivido muito acima das suas posses, especialmente os países do sul da Europa, os EUA e Inglaterra. Todos sabemos que isto não pode continuar indefinitivamente.

Muitos governos estão a contratar pessoas e a lançar grandes projectos quando deveriam estar a despedir e a reduzir o seu peso na economia.

Os mercados emergentes estão a mudar a forma como o mundo funciona, tornando-se pesos pesados na economia mundial. No gráfico abaixo é possível explorar quais as principais razões deste crescimento.

What's Driving Emerging Markets?

Fonte: USFunds.com

As obrigações gregas têm agora um juro de 17%, isto não é maneira de salvar uma economia. Estes juros são impossíveis de pagar na situação em que se encontra. A Grécia deveria abandonar a zona euro, voltar a emitir dracmas e declarar falência, já. A posição da Grécia é insustentável.

Os custos dos empréstimos também já estão a subir em Portugal, Espanha, Alemanha e no resto da Europa. A Zona Euro está em risco, com a Grécia a contagiar Portugal e Espanha.

A divida soberana é agora o novo subprime. Podemos assistir a um efeito dominó, com os juros das obrigações dos países mais fracos a afectarem os países europeus mais fortes e aos EUA e Inglaterra. Continuando assim o problema vai-se espalhar por todo o mundo.


Desde 2005 a China tem ido às compras e já gastou mais de $222 biliões por todo o mundo, no gráfico abaixo vemos onde e de que tipo têm sido os investimentos.

 

 

Os Mercados Cambiais em Abril de 2010


Em Abril o indíce do dólar americano, que representa um cabaz de seis moedas, fechou a subir por volta dos 81,82 pontos. Este foi o quinto mês de ganhos, com um avanço mensal de 0,9%.

O Euro terminou por volta dos $1,3307. A moeda da União Europeia, teve uma perda mensal 1,5% face à moeda verde.


O iene japonês fechou por volta dos 93,99 face ao dólar. Ganhou 0,6% no mês.

 

A moeda americana está a colapsar e nos próximos anos vai deixar de ser a moeda de referência mundial. O indíce do dólar está por volta dos 82 pontos numa recuperação técnica. O dólar americano restá num rally de contra ciclo no curto prazo, segundo a minha análise a tendência de queda a médio e longo prazo mantem-se.

USDMai10

XEUMai10

 

Mais informações sobre os mercados cambiais em: Colapso do Dólar

 

Metais Preciosos em Abril de 2010


O Ouro e a Prata fecharam o mês a subir.


A Platina para entrega em Julho fechou nos $1.745,10 por onça.

O Cobre para entrega em Julho fechou nos $3,3535 por libra.

O Paládio para entrega em Junho terminou nos $555,75 por onça.

Os metais preciosos podem pontualmente assustar os investidores tanto como entusiasmam, mas segundo a minha análise a tendência de médio e longo prazo é de subida.

 

Mais informação sobre o Ouro e Prata em: Entrevista GATA

 

O contrato de Ouro para entrega em Junho na divisão Comex da New York Mercantile Exchange, terminou o mês nos $1180,70 por onça. Os futuros acabaram a subir 6% em Abril.

A minha análise aponta para o Ouro acima dos $2000 por onça nos próximos 18 meses. Quando este price target for ultrapassado o Ouro poderá dirigir-se a médio prazo para cima dos $2500 por onça.

GoldMai10

Mais informações sobre a ascensão do Ouro em: Venderam-se os Anéis

 

A Prata para entrega em Julho, terminou nos $18,63 por onça.

A minha análise aponta para a Prata acima dos $22 por onça nos próximos 12 meses. Quando este price target for ultrapassado a Prata irá dirigir-se no médio prazo para cima dos $50 por onça.

SilverMai10

 

Mais informações sobre a ascensão da Prata em: A Prata vai ser Ouro

 

A Energia em Abril de 2010


O preço do Petróleo crude West Texas na New York Mercantile Exchange para entrega em Junho fechou o mês  nos $86,15 por barril. Em Abril ganhou 2,8% e está próximo do máximo de 18 meses nos $87 que foi atingido no início do mês.


Derrame de Petróleo no Golfo do México

A curto prazo, o preço do Petróleo está consolidar as subidas dos últimos meses estando a transaccionar numa banda. Considero que em 2010 pode chegar novamente aos $100, sendo que nos próximos 18 meses podem ser atingidos novos máximos e que o crude está numa tendência de subida a longo prazo.

CrudeMai10

O contrato de Gás Natural para entrega em Junho fechou nos $3,92 por milhões de BTUs (British Thermal Units) na Nymex. No mês fechou a ganhar um pouco.

Segundo a minha análise a médio e longo prazo a tendência do Gás Natural é de subida. Em 2010 o Gás Natural poderá transaccionar novamente acima dos $6 por BTU.

NatGasMai10

 

 

 

A CRISE MORALIZADORA DO SISTEMA!‏


por Tiago Marques Pereira, CMT

Analista Técnico

Membro da MTA -Associação de Técnicos de Mercado Norte Americana (New York,USA)


A CRISE MORALIZADORA DO SISTEMA!

O Caminho barato para a independência financeira!


Como viver com menos? As pessoas deviam direccionar os seus esforços de poupança para a habitação e transportes em vez de pouparem 1 euro aqui e outro ali. Este artigo não pretende ser um guia para poupar uns trocos. Quero com este artigo alertar as pessoas para questões como a felicidade e qualidade de vida. Especialmente a ideia daquilo que é suficiente para nós e par a nossa felicidade.

A maioria das pessoas nunca se pergunta o que é suficiente para serem felizes. O que seria suficiente para si do ponto de vista financeiro e material? Eu comecei a fazer essa pergunta a mim próprio quando tinha cerca de 24 anos, quando estava a acabar a faculdade e a preparar-me para começar a trabalhar e sair de casa. Tive alguma sorte e arranjei rapidamente emprego e fui ao longo dos anos aumentando o meu rendimento pessoal, em vez de gastar tudo o que ganhava e penhorar o meu futuro com crédito....mantive a qualidade de vida dos 1ºos anos em que comecei a trabalhar que era mais que suficiente para viver com algum conforto e fui "poupando" o restante rendimento extra. Desta forma consegui amortizar o único crédito que tinha e era o da casa em 73% em 12 anos de empréstimo(pretendo terminar de a pagar nos próximos 4 anos, antecipando em 10 anos o tempo de amortização).

Para mim tudo tem haver com grandes decisões financeiras. Muitos dos experts financeiros tem durante os últimos 20 anos dito que se deixarem de beber o café da manhã ou deixarem de comprar o jornal ou tabaco e puserem o dinheiro no banco que atingem a estabilidade e segurança financeira. Tal premissa pode resultar no papel mas na realidade não me parece que seja fácil executar, sobretudo pela maioria das pessoas. Uma das grandes decisões financeiras para mim é a habitação. Eu estou bastante convicto que uma das primeiras tarefas a fazer é logo na escolha da 1ª habitação: Compre uma casa modesta e ignorem as pessoas que vos dizem para não pagar a vossa casa rapidamente. Paguem as vossas hipotecas o mais rapidamente possível, instalem-se e conheçam os vosso vizinhos...façam da vossa casa o vosso lar. A sabedoria convencional antes do rebentamento da bolha imobiliária era se podem pagar a casa não o façam e invistam pois o custo de financiamento é extremamente barato, dizia-se á época que qualquer idiota conseguia um retorno de investimento 4 ou 5% acima do juro devedor.....bem não resultou bem dessa forma como acabamos de ver.


Nos dias que correm ouve se muito os media falar sobre economizar. Mas normalmente é sobre como ter mais por menos. E parece-me que estamos a esquecer a dúvida virtuosa dos tempos difíceis: A dúvida não é se podemos pagar mas se realmente precisamos? Há vários estudos sociais que demonstram que acima do nível de pobreza, mais dinheiro e mais coisas não contribuem para a felicidade. Eu acredito que a maioria dos portugueses seriam mais felizes se gastassem e consumissem menos.

Eu acredito que existem inúmeras vantagens a longo prazo na actual crise económica: Por exemplo com a gasolina mais cara, as pessoas andam menos de carro e tal resulta num ganho económico na luta contra a dependência energética do exterior, contribuindo para reduzir os efeitos nefastos para economia nacional por um lado, ma apodemos ver vantagens também na menor carga poluente da combustão dos veículos. Desde a recessão que o tamanho das casas tem sido menor nas novas construções. Pensem no impacto que terá viverem numa casa mais pequena do ponto de vista financeiro: -é mais barata na compra; é mais barato o seguro; a decoração, o aquecimento, o arrefecimento; as reparações e os impostos que recaem sobre a habitação. É este tipo de grande decisão financeira que tem escravizado a população portuguesa num mar de dívida. Portanto vamos começar a viver em casas um pouco mais pequenas....o que até é bastante positivo para a nossa carteira e para o ambiente e para a economia nacional que se endivida em termos médios por habitação um pouco menos!

Há estudos sociológicos que dizem que as pessoas se sentem mais desconfortáveis em grandes espaços. Estamos a aprender algumas lições importantes com esta recessão. As taxas de poupança estão a subir, numa altura onde a vida está mais difícil por artes mágicas(deflação) ainda conseguimos por algum dinheiro de parte. Aparte de conduzirmos menos e sermos felizes numa casa mais pequena que outras coisas podemos cortar para viver melhor?

1. Alimentação: Comer em casa- eu encorajo as pessoas a comerem mais em casa: julgo que 50% das despesas em comida dos portugueses é gasto em comida preparada fora de casa. E custam cerca de 80% mais do que a mesma comida preparada em casa. Além de haver também muito desperdício, já que cerca de 25% da comida é mais do que precisamos e portanto vai fora em terminando a refeição, já que as doses fora de casa são standard e não se guarda comida já cozinhada pois perde a piada toda.

2. Ambiente: Para a maioria dos portugueses a melhor atitude verde que podem ter é consumir menos em tudo! Maior ponderação no consumo

3. O remorso do consumidor: Muitas vezes compramos algo só para nos fazer sentir bem e depois arrependemo-nos. O meu conselho é esperar pelo menos uma semana depois de querer comprar algo, aposto que metade das vezes já não compramos o algo que na realidade não precisamos assim tanto.

É tendo em consideração as ideias aqui expostas que costumo a brincar dizer aos meus amigos que as crises são católicas e a expansão financeira sem limites é demoníaca!

Cumps,

Tiago Marques Pereira

 

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.