Facebook BI

Quinta-Feira,�23 deNovembro,�2017
Ouro acima dos $1600 - NL BonsInvestimentos Ago 2011

Newsletter BonsInvestimentos.com
Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Vol. 7 - Edição 4
Agosto de 2011

As Bolsas em Julho de 2011

Os índices bolsistas dos EUA terminaram Julho registando perdas mensais.

O Dow Jones terminou nos 12.143 pontos, uma perda de 2,2% no mês, o seu terceiro mês de quedas consecutivas.
O Standard & Poors 500 fechou nos 1.292 pontos, uma desvalorização mensal de 2,2%.
O Nasdaq Composite encerrou nos 2.756 pontos, caindo 3,6% no mês.
O PSI-20 terminou Julho nos 6.983 pontos. A praça portuguesa acumulou uma queda de 5,87% no mês de Julho e já perdeu 9,16% desde o início do ano.

Currency Central Bank Rate
audaud 4.75%
nzdnzd 2.50%
eureur 1.50%
gbpgbp 0.50%
cadcad 1.00%
usdusd 0.25%
chfchf 0.25%
jpyjpy 0.10%

Os bancos centrais estão a deixar de aguentar as taxas de juro que reduziram aos minimos de décadas para tentar enfrentar a crise. A Reserva Federal Americana, tem a taxa dos fundos federais nos 0,25% e o BCE tem a taxa de juro em 1,50% e já começou a subir as taxas. Segundo a minha análise a margem de manobra nas taxas está esgotada, a partir daqui a tendência é de subida que já teve início na UE.

 

The Big Picture - Agosto 2011

Os índices bolsistas americanos cairam em Julho. O ouro valorizou para novos máximos de sempre acima dos $1.600 por onça e a prata subiu fortemente. O dólar caiu e o crude west texas ficou por volta dos $95.


O que assistimos nas últimas semanas foi a um teatro político na América. Pouco teve a ver com o orçamento e tudo teve a ver com os poderes políticos.

Com o acordo do aumento do tecto da dívida nos EUA tudo ficou bem, certo? Errado!

A dívida dos EUA é só uma das métricas da condição financeira do país, apenas inclui uma fracção das responsabilidades de toda a nação e representa o passado. Uma análise bem feita com projecções de receitas e despesas durante a próxima geração revelaria o verdadeiro colapso que está para vir e que é bem pior do que alguns republicanos e democratas apontam.

As verdadeiras ameaças à saúde económica dos EUA começam a ter impacto forte na segunda metade desta década -> o disparar das despesas com saúde, juntamente com o envelhecimento da população que converte uma geração de contribuintes numa geração desproporcional de beneficiários.

A palavra insustentável é aqui um eufemismo.

Há pouca vontade em fazer cortes na despesa.

Hoje em dia o dinheiro para o futuro é gasto, pouco se poupa e o consumo é esticado. O problema criado tem um nome e chama-se inflação. E continua a ser alimentado, estando a caminhar rapidamente para a hiperinflação.

O dinheiro necessário para que a economia cresça é gasto e não investido. Se olharmos para as taxas de juro e para a inflação é visivel que não vale a pena poupar, no sentido em que a poupança não é remunerada em termos reais.

O dólar americano já perdeu mais de 98% do seu valor desde a criação da Reserva Federal Americana (Fed) em 1913 e os americanos já não conseguem pagar a sua dívida que sobe todos os dias. Até a agora têm conseguido pagar os juros dessa dívida, à custa de mais crédito. Mas como se está a descobrir na Europa, isso acaba um dia.

Entretanto a transferência massiva de riqueza para o sector financeiro continua. Apenas entre 2008 e Julho de 2010 foram injetados $16,1 triliões no sector bancário mundial.

Quatro bancos americanos receberam $7,75 triliões, por acaso até são accionistas da Fed, o resto foi para instituições financeiras internacionais. Os quatro são Bank of America, Morgan Stanley, Citigroup e Merrill Lynch.

As instituições internacionais são Barclays UK $868 biliões; Bear Stearns $853 biliões; Goldman Sachs $814 biliões; Royal Bank of Scotland $541 e $181 biliões, um total de $722 biliões; Credit Suisse of Switzerland $262 biliões; Lehman Bros. $183 biliões e BNP Paribas of France $175 biliões.

A inflação real já é superior a 10%.

Os governos e bancos centrais ocidentais não têm planos de contingência para situações de incumprimento, vão inventando pelo caminho, com os resultados que se estão a ver.

Na Europa, parece estar a terminar a primeira onda de problemas europeus. O 2º programa de resgate para a Grécia ainda não foi aprovado pela UE e os alemães estão furiosos com o negócio. Se for aprovado este será o último resgate grego. Segue-se a falência. A Grécia é uma pequena parte da UE mas pode ser o catalizador do fim do euro. O incumprimento da Grécia está a meses de ocorrer, no máximo a 18 meses de distância, mas é certo. De lá só temos visto greves e mais caos. Só a dívida gregar representa à volta de $500 biliões e pode derrubar o sistema financeiro europeu, e com isso levar ao incumprimento de Inglaterra e dos EUA.

É difícil fazer projeções para o futuro, porque não sabemos onde irão as taxas de juro. É provável que subam e bastante, vai chegar o momento em que face à inflação fora de controlo, será impossível manter as taxas de juro em niveis historicamente baixos como estão. Já estamos a assistir ao levantar de algumas taxas de inflação oficiais, como em Portugal.

Fonte: peterlbrandt.com

Os próximos anos vão ser bons para quem tem metais preciosos. Segundo a minha análise, a médio e longo prazo, o ouro e a prata vão continuar a valorizar. No curto prazo poderemos assistir a algumas correções.

 

 

O Forex em Julho de 2011

Em Julho o indíce do dólar americano, que representa um cabaz de seis moedas, fechou a cair 0,6% no mês, ficando por volta dos 73,84 pontos.
O Euro terminou por volta dos $1,4380. A moeda da União Europeia, registou uma desvalorização em Julho de 0,8% face à moeda verde.
Contra o iene japonês o dólar fechou em Julho por volta dos ¥76,93, muito perto dos seus mínimos do anos nos ¥76.25 no dia 17 de Março. O dólar perdeu 4% face ao iene, no mês.

A moeda americana está em declínio e nos próximos anos vai deixar de ser a moeda de referência mundial. O indíce do dólar está por volta dos 74 pontos. Segundo a minha análise a tendência de queda a médio e longo prazo mantem-se.

 

Mais informações sobre os mercados cambiais em: Colapso do Dólar

 

Dólar Americano: Fundo semelhante a 2008


Fonte: peterlbrandt.com

 

Metais Preciosos em Julho 2011

O Ouro e a Prata fecharam Julho com fortes subidas.


O Cobre para entrega em Setembro fechou nos $4,48 por libra, fechando o mês a subir 4,7%.

O Paládio para entrega em Setembro, fechou nos $827,70 por onça, avançou 8,8% em Julho.

A Platina para entrega em Outubro, fechou nos $1785,30 por onça. Valorizou 3,4% no mês.

Os metais preciosos podem pontualmente assustar os investidores tanto como entusiasmam, mas segundo a minha análise a tendência de médio e longo prazo é de subida.


Mais informação sobre o Ouro e Prata em: Entrevista GATA

 

O contrato de Ouro para entrega em Dezembro na divisão Comex da New York Mercantile Exchange, terminou o mês nos $1.631,20 por onça. Após ter atingido um novo máximo de sempre nos $1.637,50. Os futuros acabaram a ganhar 8,5% no mês ou $128,40.

A minha análise aponta para o Ouro acima dos $2000 por onça nos próximos 12 meses. Quando este nivel for ultrapassado o Ouro poderá dirigir-se a médio prazo para cima dos $3000 por onça.

Mais informações sobre a ascensão do Ouro em: Venderam-se os Anéis

 

A Prata para entrega em Setembro, terminou nos $40,11 por onça. Disparou 15% no mês.

A minha análise aponta para a Prata acima dos $60 por onça nos próximos 12 meses. Quando este nivel for ultrapassado a Prata irá dirigir-se no médio prazo para cima dos $90 por onça.

Mais informações sobre a ascensão da Prata em: A Prata vai ser Ouro

 

A Energia em Julho de 2011

O preço do Petróleo crude West Texas na New York Mercantile Exchange para entrega em Setembro fechou o mês  nos $95,70 por barril. Em Julho perdeu 0,3%.


Segundo a minha análise nos próximos 18 meses podem ser atingidos novos máximos de sempre no Petróleo, com os media a finalmente reconhecerem o Peak Oil. O crude está numa tendência de subida a médio e longo prazo.

O contrato de Gás Natural para entrega em Setembro fechou nos $4,15 por milhões de BTUs (British Thermal Units) na Nymex. No mês fechou a cair 5%.

Segundo a minha análise a médio e longo prazo a tendência do Gás Natural é de subida.

Petróleo: Crescimento da Procura Mundial

 

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.